segunda-feira, 31 de julho de 2017

MOTE MOTIVO 107



MOTE  107
A Força do Amor
Roupa Nova
_______________________
___________________

PROFUNDO AMOR

Meus sonhos vêm em caravana,
Fulgurando aos sóis das estações brumosas,
Pois,
“Para o amor não existem fronteiras”
E,
 As ondas a espelhar estes céus singulares,
Querem “voar, navegar outros mares”,
Passando ,
Desfeitas em tormentos,
Em ais, em convulsões, em dores, em luto...


Marilândia

COSTURANDO POESIA




“Proibido carona para a eternidade...”
Iza Klipel
__________________

Eis o lânguido painel
Que num sonho noturno
Prefere a dor à morte,
O inferno ao Nada...

E,
Ao som dos carrilhões
Que ressoam nas brumas
O tédio assume as introspecções da Imortalidade
Dormindo num Saara o seu profundo sono...


Marilândia

domingo, 30 de julho de 2017

MOTE MOTIVO 106




MOTE MOTIVO 106
NASCE A PALAVRA!
Catharina Dirce Arcoverde
________________

DESAFIO DA PALAVRA

Tímida, a vergar,
Vai costeando flancos do coração,
A esplender de in_vencível encanto...

A todo brilho
Tem um riso que alvoroça...

Tem alma com certeza!

E,
Como um jogral que delira,
Toda ébria do alarido,
Lança em desafio,
Seus encantos secretos.


Marilândia

SONHOS ACORDADOS




Sonhos Acordados
Tal aurora feiticeira
Alma
Com o coração nas mãos...
Passado reluz 
Como presente
Na nostalgia do vivido...
Marilândia

DIVAGAÇÕES




Divagações
Em lilases da saudade perco-me...
Jazem na minh'alma em desalinho,
Desfolhadas pétalas d'amargura...
Quero sorrir _ tremem-me os lábios_ cala-me o coração...
Enigmáticas, bailam-me lembranças _ misteriosas quimeras_
Ululantes versos na minha boca exangue afloram _ pedaços de poemas que nunca escrevi_...
Estrofes esfumaçadas no Tempo _ roucas palavras nas emurchecidas áleas do destino..._
Marilândia

PAISAGEM POEMA




Paisagem Poema
Nas imagens da vida 
Em profundo azul ultramarino, 
Úmidos de memórias,
Beijos choram...
Marilândia

COSTURANDO POESIA



COSTURANDO POESIA




“E não sendo, penso e suponho
(felicidade)
Foi sonho...”
Iza Klipel
__________________

Do sonho estranho,
As grandes asas soltas
Voltam à sede dos últimos desejos,
Abrem os olhos à vida
E ficam mudas...

Livres!
Bem livres para voar mais puras,
Sentem a Natureza
Enquanto gozam,
Na universal Grandeza,
Arcangélicas,sublimes Imensidades...


Marilândia

sábado, 29 de julho de 2017

MOTE MOTIVO 106



MOTE MOTIVO 106

NASCE A PALAVRA!
Catharina Dirce Arcoverde
__________________________

SINGULARIDADE DAS PALAVRAS


Augustas palavras
N’alma do poeta brotam...

Peregrinando
Vagas, indecisas, medrosas
Abrem-se serenamente
Nas nuances de seus versos,
Enquanto
Matizam mistérios mudos,
Ao percorrer incógnitas distâncias...

E,
Nos esplendores das eternais auroras,
Coroam de quimeras
_________Bizarros silêncios.

Marilândia



COSTURANDO POESIA


Nenhum texto alternativo automático disponível.

COSTURANDO POESIA




“É horizonte mais alto, para a amplidão
Sempre calada, a escada...”
_____________________

Assim,
Nos fulgores 
De outras eras
Tivesse eu galgado
Ágeis
E
Esquivos patamares,
A própria alma
À deriva e perdida,
Desterraria
Os frementes momentos
Dos in_saciados desejos,
Vislumbrando os sonhos a escorrer dos céus...

Marilândia

sexta-feira, 28 de julho de 2017

MOTE MOTIVO 106





MOTE MOTIVO 106

NASCE A PALAVRA
Catharina Dirce Arcoverde
________________

 INSANIDADE

Sob os lençóis,
Em plena rebeldia,
Palavras murmuram
Na ventura febril
Dos braços teus...

Alvoraçadas,tontas,sedentas
Procuram, in_quietas,
As noites de astros apagadas.

Marilândia


MOTE MOTIVO 106




MOTE MOTIVO 106

NASCE A PALAVRA

Catharina Dirce Arcoverde
_________________________

SUBLIME CRIAÇÃO

Nesse augusto Quebranto
Dentre vãos devaneios,
Numa luz i_mortal e transcendente,
Cada alma tem seu  íntimo recato
Espelhado nas sutis palavras do poeta...

Mesmo as afrontas mais cruéis esquece,
Exibindo em voz singular,
O timbre puro,
Que nos abraça e esmaga.

E,
Assim,
Sonhos que se  vão
Por trêmulos adejos,
Nos sentimentos da grandeza oculta.


Marilândia

CONVULSÕES




Convulsões

Estressantes jornadas
Dentre
Abandonadas visões
Fartam-se
Das cinzas do passado...

Marilândia

COSTURANDO POESIA




Dentre
“Retratos de uma viagem que não fiz...”
Iza Klipel


E
“Risos no horizonte azul dos meus anseios...”
Jô Tauil
_______________________

Fico muda 
Qual um coração que está de luto...

Todas essas consteladas e azuis quimeras,
Soluçando nas trevas,
Sonham...

E
Sonhando,
Rasgam no etéreo espaço da Pureza,
Eternos fulgores dos insondáveis mistérios...

Marilândia

BUCÓLICO CAMINHAR




Bucólico Caminhar
Travessia do amor contido
Num poema conjugado nas alturas 
Dentre o granito das estrelas,
Ressoa em tênues vibrações
Na lenha da melancolia...
Marilândia

POEMINI




POEMINI
Mares de in_certezas
Em nuas corredeiras...
Marilândia

quinta-feira, 27 de julho de 2017

MOTE MOTIVO 106




MOTE MOTIVO 106


NASCE A PALAVRA
_________________________

I_MORTALIDADE DA PALAVRA
Na volúpia insana desses braços
Que minh’alma asperge
Suavíssimas carícias do supremo afeto...

Sinto tanto tua essência pura
Dentre clarões e sombras
Dum mistério estranho!

Sinto os segredos de teu corpo amado 
Numa mesma rede de carinho e dores
Que minha alma fica presa,
Debatendo-se ansiosa,
No fundo turbilhão
De excelsas ânsias mudas...

Marilândia

REVÉS



REVÉS
Albergadas
No _______peito meu
Lembranças
Levadas pelo _____Tempo .

Saudades 
Que a brisa ______aviva...

Marilândia

PRELÚDIOS ARDENTES




Ardentes Prelúdios 
O uni_verso barulha ardente
Em luzente 
Espoucar
____________De sorrisos
____________E de beijos...

Diante
Prelúdios de primaveras,
Reverenciando
Colorido
___________Da Natureza,
Abraça a Eternidade,
A tremeluzir dentre astros borbulhantes...
Marilândia

ALDRAVIA




Aldravia
Choram
As
Palavras
Sulcos
Dos
Poemas...
Marilândia

AMOR SENTIDO





Amor Sentido
Enquanto houver res_sentimento
E a dor fingida
Tornar-se verdadeira,
Em cada vão momento
Pairarão em nossos corações
As dores do amor sentido.
Marilândia

COSTURANDO POESIA


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

COSTURANDO POESIA




“Ruinas do passado...”


Jô Tauil
________________________

Nas saudades que a brisa aviva
Clamam as dores do amor sentido,
Enquanto carregam nas mãos vazias
Sulcos de nossos poemas...

E,
Abraçando a Eternidade,
Nossos castos versos
Dentre augustos apodrecimentos,
Num desolado sentimento acerbo,
Transfiguram-se,
Enquanto fazem desse martírio
__________Quase i_ mortal delírio...

Marilândia