quarta-feira, 23 de agosto de 2017

COSTURANDO POESIA



“Amanhã bordados a fios de nada...”
Iza Klipel
__________________

Porquanto,
Quantas vezes o artífice varia,
Em mistérios a esplender de in_vencível encanto...

Inflamado da luz vinda do céu turvado,
Num (in)dolente caminho a cantar se inebria,
Saudando seu arrebol
____________ Mais glorioso que um sonho...


Marilândia

terça-feira, 22 de agosto de 2017

INTENSAS QUIMERAS


MOTE 111

INTENSAS QUIMERAS

Na explosão da Primavera
Um poema de flores se abria,
Onde
Misteriosas fragrâncias se liam
Num  mais que perfeito entrelace...

Frêmitos, enleios, tantos anseios
Na emoção de tantos arpejos
Engrinaldados de i_mortais,
__________Divinos loureiros...

Marilândia


COSTURANDO POESIA



“Conforme o afino ecoa o estribilho...”
Iza Klipel
__________________



À fronte e ao coração o mais embriagador!

Notas plangentes, acordes bizarros
Numa confissão sussurrada
Ao confessionário da alma...

E ,
Na arte de evocar as horas mais ditosas,
Ó beijo in_definido, ó aroma, ó juramento,
Faz brotar estreladas canções nas entranhas  dos poetas.


Marilândia

domingo, 20 de agosto de 2017

COSTURANDO POESIA





“Como a querer um espetáculo derradeiro...”
Iza Klipel
____________________

Teu coração que sempre a tristeza esporeia,
Ensaguentando  o céu de feridas rubras,
Diz à própria dor ,
Num sombrio e cálido diálogo,
Que a sua sede sacia nesse amargo sensualismo...

E,
 Do fundo deste abismo em que sucumbe,
Num deslumbramento de luxúria e gozo,
Quanta volúpia, quantas convulsões!


Marilândia

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

MOTE MOTIVO 100




MOTE MOTIVO 100
TÉTRICAS QUIMERAS
Dentre loucura
Das estrelas atrevidas 
Mistérios além do infinito,
Procurando a estrela-d'alva...


Em mudos desesperos
Sobem mais alto,
A balouçar
Sob trêmulos queixumes,
Enquanto
Na rude escuridão
Dum negro abismo,
Dementes pecados vagam...

Marilândia


COSTURANDO POESIA



“De felicidade a dois.
inteira,
total...
eterna!”
Jô Tauil
___________________


Em que, sob céu azul.
Tudo é alegria vaga
A adormecer num sonho
Que jamais termina...


Nessa calma do silêncio,
Já naufraga o sol
Em seu coágulo ardente
E
Na insolência da Natureza,
Vai subindo como o mar ao rochedo despido...


Marilândia

VIÉS DO TEMPO



VIÉS DOS TEMPO
No vaivém do Tempo,
Vívidos suspiros
Desesperos mudos...

Efervescentes delírios
A cruzar ínvios caminhos,
Testemunham nossa história...

Peregrinam
Errantes,solitários,
No des_encontro
D'almas nossas...

Marilândia