domingo, 9 de julho de 2017

Costurando Poesia






“Tanto e suado
Cansado da paixão...”
Iza Klipel
__________________
________________________________

No entanto,
A alma, risonha, lúcida, vidente
No eterno silêncio dos Espaços,
Livre da matéria escrava,
Sonha...

E a sonhar ,
As i_mortalidades rasga,
Desvendando as (in) visíveis amplidões dos Céus...


Marilândia

POEMINI



Poemini

Quietação banhada de prazer
Luz do teu olhar...
Marilândia



sábado, 8 de julho de 2017

COSTURANDO POESIA




“Trovejando na tempestade do desejo...”
Jô Tauil
__________________________

Porquanto,
Circunspectos acasos
Cantam as in_finitas nostalgias
Dos mistérios de eras apagadas
_segredos i_mortais, risonhos e mudos_

E
Esculpindo a sacrossanta saudade,
Florem nas lágrimas que choram
(Des) ilusões, amargos danos,
Dos sonhos idos...

Assim,
Sob o curso do tempo miserando,
Nessa viagem pelas plagas das amarguras,
Dentre
Lívidos e atrozes invernos,
Rugem e bramem
Quais os ventos,
Insolentes desesperos
Açoitando-me a alma,
Num desassossego in_definível...


Marilândia

DORIDAS TORMENTAS




MOTE 104
DORIDAS TORMENTAS
De minha poesia
Farei música
Para que não mais te firam
Doridas tormentas...

___________E mais tarde,
___________Quando as dores da alma
Se fizerem antigas,
Não afugentes meus carinhos!

___________Quero banhar-me
Na aurora___________ do teu coração,
E de amor____________ me perder...

Marilândia

COSTURANDO POESIA





“No teu olhar vivia meu horizonte...”
Iza Klipel
__________________


Porquanto
Cunho da saudade
Trazia à memória
I_mortal idílio,
Sob
Elixir das tardes perfumadas...

E,
Vestida de segredos
Essa veemente paixão
Na lívida pureza das luxúrias,
Em trêmulos sopros
Desfolhava campos de flores...


Marilândia

POEMINI



POEMINI
Ah! A vida!
Como dói ser vivida...
Marilândia

FRAGMENTOS DAS LEMBRANÇAS




Fragmentos das Lembranças
Dentre momentos
E momentos soberanos
Íntimas melancolias segredando,
A perfumar de saudades
Vozes da brisa
Desfolhando relâmpagos...

No entanto,
Orvalho da amargura
Nas pétalas de cada sonho
Entre as sonoras brumas do Mistério,
Vai suspirando,
Num suspiro vivo,
Que arrasta consigo 
O sentimento amargurado , belo
Que é já , talvez, quase mortal delírio...
Marilândia