segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

FOTOPOEMA



FOTOPOEMA

Violáceas saudades
Em róseas lembranças
Florescem




Marilândia

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_


POEMINI


Selam os lábios meus
Saudades do teu olhar



Marilândia

_UM POEMA NÃO TEM FIM_






















Porquanto 
Diante
De teus olhos gastos
Passeiam
A graça e a nostalgia,
________________________________
“Joga fora a ilusão dessa fantasia perdida...”
Jô Tauil
__________________________

E dorme,
Ansiando
Em
Teu misterioso seio
Sejam revelados
Os segredos
Escondidos nos mantos dos crepúsculos...



Marilândia

POEMINI





POEMINI

Alimentam-me a alma
Sombras das nuvens

Marilândia


DUPLIX


POEMINI





POEMINI


Reluz no firmamento

Etérea visão

Marilândia

domingo, 28 de fevereiro de 2016

_MOTE DADO _ POETA INSPIRADO_


























MOTE XLVI



Das vozes
Que morrem
No ãmago do meu prazer
O delirante bater de um coração
Banhado do ressequido orvalho
De minhas angústias...




Marilândia















TRIPLIX

TRIPLIX



_UM POEMA NÃO TEM FIM_







No sublime âmago
Das ilusões,
_____________________
“Reacendendo beijos
Encenados ao luar
Nos tempos da juventude”
Jô Tauil
_____________________
Ao relembrar
Vívidos momentos
Das fantasias
Dos outroras...


Eis que
Neles
Se refazem,
Misteriosas e indeléveis,
Im_piedosas convulsões dos clamores da paixão...

Marilândia

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_




























MOTE XLVI

IN_SOFISMÁVEIS VERDADES

Silentes carícias
Falam-me à alma
Calam-me a razão

Portanto,
“Dar-te-ei a mim mesmo agora
E serei mais que alguém que vai correndo pro fim..."

"Esse morre,
Envelhece,
Acaba e chora,
Ama e quer,
Desespera,
Esse vai,
Mas esse volta...”

Marilândia ( com versos entre aspas de Marcelo Jeneci)

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_






MOTE XLVI

“Dar-te-ei finalmente os beijos meus
Esses embalam, esses secam,mas esses ficam...”
Um sossego,
Uma unção,
Um transbordamento de emoções,
Sorvendo nos lábios teus,
A fragrância dos sorrisos...
“Não trazem o exaspero das lágrimas,
Tampouco a fascinação das promessas...”
Marilândia

sábado, 27 de fevereiro de 2016

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_


















MOTE XLV


FOTOPOEMA


Desse pranto sem dor
Escorrem nas entranhas
Orvalhadas melancolias...

Marilândia

_UM POEMA NÃO TEM FIM_






Ao acaso dos desejos



“Onde vivo mil anseios
E lembro dos dias
Jamais vividos...”

Jô Tauil




De repente
Luze o fascínio
Das noites
Que vivi acalentando...

E
Dentre momentos
Engrinaldados de saudades,
Transbordam as carícias dos segredos sepultados...




Marilândia


_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_



MOTEXLV

FOTOPOEMA


Num peito em brasa
Esmigalhadas lembranças
Ardem...

Marilândia






POEMINI





POEMINI

Vazio dos lençóis...
Tormentosa saudade




Marilândia

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_


MOTE XLV


FOTOPOEMA

Vida palpitando na matéria
Com o peito de dor rompido,
Espiando janelas da alma
Sem paisagem,
Sem poesia...




Marilândia

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

_UM POEMA NÃO TEM FIM_






Ainda que 
Os céus se tornem violentos
E seu azul desesperado,


“Lua... estrela... dois seres
Que anulam interrogações
Pois se sustentam no amor”
(Jô Tauil)



Embora dentre
Hesitantes momentos
Luzes morram nos olhos deles...

Enquanto
Diante de suplicante visão da beleza,
Ampliando a anilada angústia
Numa tremura de lágrimas,
Em meio a flores de sangue,
Céus se derramam sobre as várzeas da paixão...

Marilândia

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_




MOTE XLV

FOTOPOEMA

Como a ferida
Escorrendo lembranças,
Do teu peito
Escorria a essência
Da dolorosa visão
De tua vida...


Marilândia

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

DUPLIX


DUPLIX


_UM POEMA NÃO TEM FIM_





E que hoje encho de flores (Jô Tauil)

Numa Primavera
De místicos sonhos
E de preces rituais,
Sobretudo à hora
Em que se acendem
Fogos-fátuos das madrugadas...

Enquanto isso,
Na infinita lassidão
Dos devaneios
Tal como na dos segredos,
Pressinto o rio da paixão
Escorrendo sobre a pureza das estrelas...

Marilândia






_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_




MOTE XLV

Tardiamente,
Em minha agonia,
Saudades cravejadas no peito...


Marilândia


OS SONHOS QUE NÃO REALIZEI







OS SONHOS QUE NÃO REALIZEI...
Deixa-me contar os endoidecidos sonhos que não realizei...
São tecidos em raras sedas _veludos d’alma e do coração...
Nesses sonhos despia meus desejos, vestia-me de rendas e brocados.

Voluptuosos anseios cravava no peito em brasa, dentre sombras do regaço...
Trágicos soluços d’outrora, lançando dores ao vento,ruflavavam em secretas páginas de desvarios.
Indizíveis momentos a olhar-me bem de frente, fugiam por este mundo vasto e profundo...


_...E quanto mais meus sonhos procurava, mais esvoaçantes quimeras descobria._

Marilândia

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

_UM POEMA NÃO TEM FIM_




Louco amor meu...

“Ainda te espero...plena de emoção

Inteira...
Translúcida...
Em qualquer estação...


Sentindo o sangue 
A correr, alucinado,
Dentre minhas entranhas,
Enquanto
Nessa angústia de amar-te
_olhos perdidos e seios nas mãos_

Como se um raio houvesse me partido...

E em mim,
Mãos se amargurando,
Querendo estancar
A música das palavras
Que morriam no vazio do firmamento...



Marilândia

EVOCATIVOS MOMENTOS





EVOCATIVOS MOMENTOS

Amante solitária 
Um estar entre céu e chão...

Música, poesia e dança
Em delírios surrealizantes
Versam os encantos do paraiso...

Marilândia

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_




MOTE XLV


FOTOPOEMA

Insurgentes lembranças
Abrigadas
Em desatinada carne
Jamais se apagam...


Marilândia


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

_MOTE DADO - POETA INSPIRADO_




MOTE XLV

Pérfidas cicatrizes
Insculpidas no coração
Soluçam na alma...



Marilândia