sexta-feira, 30 de setembro de 2016

COSTURANDO POESIA




"Por fim, falarás com teu olhar
Dos reais anseios do coração!”
Jô Tauil
________________

Assim,
No fecho da tarde um sino rouco
Vivaz, eterno, divino,
Como facho do Destino,
Desafiando rebelde
A desconcertante beleza,
E a buscar os sonhos
A serem sonhados,
Canta  os ramos agitados,
Em torrentes de harmonia...


Marilândia

MOTE MOTIVO 45







MOTE 45
“AUTORRETRATO”
Mário Quintana”
________________


VENTUROSO DESPERTAR

Soterrada viva
A minha consciência,
“Às vezes me pinto coisas
De que nem há mais lembranças...”

Porém,
Inusitadamente,
Tudo em mim ressuscita
Segredos recônditos abrindo,
Num tenro coração 
Que vem sorrindo,
E
Despertando em mim 
A mocidade flórea,
Embalada apenas, pelas Venturas...

Marilândia

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

MOTE MOTIVO 45


“No retrato que me faço
...............................
- pouco a pouco -
minha eterna semelhança,”

_________________

MEU GRANDE MOMENTO


E em busca das estrelas belas
Meus sonhos cor do luar
Lá se  vão  a cantar...

Essa graça lânguida
Que me inspira
Desce sobre mim
Sua estranha penumbra,
E na névoa
Que tudo encerra
Pompas e pompas,
Pompas soberanas...


Marilândia


MOTE 45




MOTE  45
“AUTORRETRATO”
Mário Quintana
__________________

ALDRAVIA

Ocaso
Do
Tempo
Engelha-me
Dorida 
Alma


Marilândia

COSTURANDO POESIA



“Trincheira armada de amor”
Iza Klipel
_________________________


Num velho Sonho sublime, majestoso,
De onde luzes de eterna paz escorrem
E de onde vozes dos céus vibram sonoras...


Enquanto
Cá, nessa humana e trágica miséria,
Nesses lúgubres abismos assassinos
Revestidos de mistérios implacáveis,
Quantos desatinos, quantas cismas várias!

Mundo de peste, de sangrenta fúria,
De leprosas trevas da in_clemência
_negras trevas, sombrias das cruéis des_esperanças...__

Outrossim,
Amarguras tecem os hinos,
Soluçando solitárias,
Esquecidas  nas valas insondáveis
Sem Bondade, sem Fé e em convulsivos gritos...


Marilãndia

MOTE MOTIVO 45



MOTE  45 
“O AUTORRETRATO”
Mário Quintana

_______________________

ESBOÇO DE MIM

Matizando  em níveas telas
 Sentimentos que angustiam,
“No retrato que me faço
Coisas que não existem”
Sangram as chagas,
Choram rubras dores
Pelo mundo afora...

E,
No silêncio das horas mortas,
Pedaços de mim
Peregrinam melancolicamente, 
Dentre nuances dos versos meus...

Marilândia

MOTE MOTIVO 45




MOTE 45 (AUTORRETRATO - MÁRIO QUINTANA)

________________
_________________________________________


MEU EU

“..._traço a traço_
ÀS vezes me pinto nuvem”,
E em vão alongo os vacilantes passos
À procura febril dos beijos teus...



Então,
Numa sonhada, 
Celestial ventura 
Dos teus braços,
Ascendo a excelsa Transcendência
Do céu sempre estrelado e diamantino
Na volúpia do desejo que me transporta...



Marilândia

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

TRIPLIX



COSTURANDO POESIA




“Pedaço de céu no primeiro beijo”


Iza klipel
_________________


Num Relicário de viver supremo
Para um secreto idílio...

Ali não existe a convulsão da vida...
Há músicas, há cânticos, há vinhos
E o teu perfil todo o meu ser esmalta
Numa auréola resplandecente de formosuras...

Assim,
Sob um enlevo etéreo,mago,
Sinto, extasiado,
Noites de além,
Que nos clarões da Fantasia bordo,
Dentre sutis palpitações à luz da Lua,
Vivendo a vida de quem vai sonhando...

Marilândia





terça-feira, 27 de setembro de 2016

COSTURANDO POESIA




“Antes que a saída feche a estrada...”
Iza Klipel
_______________

Que permeia
Regiões longínquas,
Visionárias...

Estrada
Dos teus sonhos secretos,
Fascinantes,
Vestida de silêncios,
De tantas sombras várias,


E
Talvez esquecida
Nos vales das Lembranças
Qual tela dourada das Ilusões...


Marilândia

MOTE MOTIVO 44





MOTE 44
“SENTIMENTAL”
Poema de Drummond
_______________

SECRETA PAIXÃO

Sinto os segredos do teu corpo amado
Na mesma rede de carinhos e dores...

E para que ao mundo proclame
Esse mistério estranho,
“Uma letra somente
Para acabar teu nome”,

Eis que
Na minha consciência,
Sob intensas quimeras do Desejo,
 Um cartaz em luzente florir,
Dentre frêmitos e enleios,
Cintila o raro, singular segredo.

Marilândia





COSTURANDO POESIA




“Buquê de borboletas e espinhos”
Iza Klipel
______________

Nas labaredas dos beijos in_clementes,
Nas chamas das estrelas dardejando...
E
Em tudo um vago aroma (in) definido
A cantar os tédios, as tristezas
Que erram nas frias solidões da Lua...

Enquanto
 Nas floridas searas ondeantes,
Cujas folhagens brilham fosforeadas,
Clarões e sombras dum mistério esquivo,
Espalhando-se como adeuses carinhosos...

Marilândia




segunda-feira, 26 de setembro de 2016

MOTE MOTIVO 44




MOTE 44 
“SENTIMENTAL”

Poema de Drummond
__________________


(DES) ILUSÃO


Horrores amargos
“ Debruçados” 
Nas entrelinhas do poema
Tornam a dor mais viva,
E tudo em mim
Emigra pros longes mais secretos
_Sacrários das Saudades_,
Pois “é proibido sonhar”,
Se os meus sonhos
Já não são os seus...

Marilândia

TRIPLIX



TRIPLIX



MULTIPLIX



MOTE MOTIVO 44




MOTE 44
“SENTIMENTAL”

_______________

SONHANDO...
“Ponho-me a escrever teu nome”
Num misto de saudade 
E de tortura,
Sob tédio de ansiedades
_atormentada agitação..._

“Desgraçadamente falta uma letra”,
Rasgando-me a alma
Que nas sombras treme,

Enquanto
Sonhos abismados no mistério
Num concerto de lágrimas sonoras
Dentre febril desolamento dos in_quietos...

Marilândia

COSTURANDO POESIA




"Jamais há de me entender...”
Jô Tauil
___________________

Pois,
A sombra rubra que me vai seguindo
Desabrocha ensaguentadas rosas
Radiantes de ilusionismos,
Sonorizando-me os caminhos,
Envolvendo-me 
Num manto im_penetrável, protetor...

Assim,
Cerca-me o mundo
Nesses sutis e cândidos momentos
Em que minh’alma
Com tais sonhos, tantos,
Sob secretos estremecimentos,
Transfigura-se de emoção, sorrindo
Imaginando-se numa redoma in_visível...


Marilândia




domingo, 25 de setembro de 2016

COSTURANDO POESIA




“Alquimia que só os sofridos entendem..." 
Jô Tauil
______________

Tais são as convulsões dos derradeiros suspiros
Suspiros vivos, profundos,  tão profundos
Que arrastam consigo toda a paixão do mundo...

Enquanto
Num fundo de tristeza e de agonia
Presas a um sonho celestial e vaporoso,
Relíquias i_mortais de eras sagradas
Choram no silêncio dos Silêncios...

E
Quem sabe , 
Pelos tempos esquecidas,
Sublimes,
Supremas  divindades febris dormem sonhando...

Marilândia


MOTE MOTIVO 43



Mote 43
“NÃO SEI”
Cora Coralina
________________



NADA SEI

“Não sei
Se a vida é curta
Ou longa demais”,


Não sei
Se trilho o caminho certo 
Ou errado...


Sei apenas,
Que não caminho sozinha...


Carrego comigo
Cada lembrança,
Cada vivência,
Cada aprendizado...


Sei também 
Que ,
Vivendo dias iguais
De formas diferentes,
Me faz compreender
Que não sou a mesma de ontem,
Mas, mesmo assim,
Que tudo valeu a pena...


Marilândia

sábado, 24 de setembro de 2016

MOTE MOTIVO 43





MOTE MOTIVO  43
“NÃO SEI”

Cora Coralina
____________

DIVAGAÇÕES

Penso nos anos,
Tão poucos
E que foram tão rápidos...

Ó tédio amargo!

Nos corações doridos,
A graça, e a força
Despedem-se
No mais profundo mutismo,
Gerando flores de amargo encanto.

Marilândia



COSTURANDO POESIA



‘Ponteias o meu caminho”
Jô Tauil
______________________

Exalando a essência da ternura
Mesclada a minhas dores,
Nessa caminhada de rosas e espinhos...

Trazes no olhar
As in_certezas do horixonte
Dentre  tons longínquos do passado,

Enquanto
Na sonolência duma lua alvissareira
Tudo em saudade nos teus olhos vaga...

Marilândia



MOTE MOTIVO 43



MOTE 43
“Não sei”
Cora Coralina
________________


FLUIR DO TEMPO

Para não fugir o coração do peito,
Nem fraquejar a alma,
Num balbuciar dos sentimentos
Ao se rever vestígios
Do que foram momentos,
Sobretudo no enlanguescer da vida
Num inexorável fluir do tempo...

_Tempos que tiram lágrimas das flores..._
Marilândia

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

MOTE MOTIVO 43




MOTE  43
“NÃO SEI”

Cora Coralina
__________________

AMARGOS DES_ENCANTOS

Quais prelúdios místicos de salmos
Entorna-nos a vida em crepúsculo sereno
Num misto de saudade e de tortura...

Absorta, emudecida,
“Sei que nada do que vivemos
Tem sentido”,
Embora não saiba
Se a vida é curta
Ou longa demais ...“

Pois,
Ao longe, escuto
Desmoronarem-se  mundos
Em taciturnos delírios.

Marilândia