segunda-feira, 15 de março de 2010

CAMA E MESA// DIAS E NOITES (JJ E MARILÂNDIA EM DUETO)






CAMA E MESA// DIAS E NOITES


Quero que fique quietinha,// Perfumada e suplicante
Na espreita do que te espera// Desvarios arquejantes
Que obedeça a quem deseja//Ansiosa, palpitante
E não será com surpresa//Numa sublime inversão
Que dócil e indefesa // Escrava da paixão
A Presa domine a Fera!// Domesticada , saciada
Eu vou beber da tua boca // Tragar os beijos teus
E nela vou respirar// Arfante, malicioso
Vou viajar nesse corpo// Mergulhar nessa alma cálida
Soltar amarras do porto// Navegar em mar aberto
Quero sentir teu gosto // Tecido de carinhos
Misturado ao paladar.// Afogueado por intenso apetite.
Tu serás meu prato exótico// Convidativo, sabor inusitado
Vou provar tuas sensações,// Caminhando por tuas entranhas
Vou provar cada mistura// Em toques de emoções
E conseqüentes reações,// Explosões radiantes
Teus sabores variados // Decorativos, inigualáveis
Em variadas regiões!// Inóspitas, misteriosas
Eu hei de ver em teus olhos // Nas retinas luminosas
Que assim feliz eu te faço // Acorretando-te nos meus braços
Sentir na respiração,// Ofegante, sussurrante
No pulsar do coração// Suspirando, saltitante
E na cadência dos gemidos//Descompassados, em frenesi
Que eu; // E mais ninguém
Quem marca o compasso!// Melodioso, sôfrego
Deitado sobre esse corpo// Delineado com pincéis de amor
Escorregadio, suado;// Ardente, febril
Eu quero cama amassada// De desejos amarfanhada
Eu quero lençóis molhados,// Pelas vertentes embriagadas
Fêmea no cio e feliz// Possuindo-me por inteiro ao lado teu.
E assim teu corpo me diz://Sou tua em todos os momentos.
“Foi o desejo aplacado”!// Em cascatas de poesia que esmagaste.
Aí, te olhando nos olhos // Mirando-te com ardor
Com a ternura que tens // A inebriar os dias meus
Eu vou te beijar na boca,// Calar -te com os lábios meus
Como não beijo ninguém// Somente tu
Provarás do teu sabor // Reecontrando sonhos
E provavelmente agora//Bifurcando-me no exato ponto
Eu trema a voz nessa hora// Calando rajadas como quem nada cala
Mas vou chamar-te de amor!//Burilar o teu ardor.

"Como é difícil o entendimento mútuo, meu querido anjo, e como o pensamento é incomunicável, mesmo entre pessoas que se amam!”
JJ.Braga Neto e Marilândia



Marcadores:

1 Comentários:

Às 16 de março de 2010 18:32 , Blogger Márcia Vilarinho disse...

Vibrei com alegria, otimismo, beleza do começo ao fim do dueto. Lindo é uma palavra de pouca expressão para a arte que vocês juntos construiram nesse poemar. Abraços carinhosos a ambos. Márcia Vilarinho

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial