segunda-feira, 1 de março de 2010

O MEU POETA







O MEU POETA


O meu poeta versos não declama,
Mar de angústia inunda sua’lma
Ironia tristonha o coração tortura-lhe.

Ausência de sonhos,
Ilusões fugitivas.

Idas sem destino,
Voltas em desalinho.

Resquícios de saudade,
Emoções em fragmentos
Nublam os dias seus.


-DELIRAR DE RECORDAÇÕES-


“Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda ...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz !”


FLORBELA ESPANCA

Marcadores:

2 Comentários:

Às 1 de março de 2010 15:39 , Blogger Graça Tristão disse...

MARILÂNDIA MINHA AMIGA DE VERSOS... BELOS E QUE ME ENCANTA A CADA LEITURA!
ESTOU TE ESPERANDO EM MEU BLOG MEUS RABISCOS EM VERSOS
http://gracinhablogs.blogspot.com
PAZ E LUZ
BJCAS
GRAÇA

 
Às 2 de março de 2010 07:13 , Blogger Pedro Du Bois disse...

Cara Marilândia, é sempre bom encontrar espaços para a verdadeira literatura: aquela que não se desgasta através do tempo. Gosto muito da Florbela, a começar pelo nome. Pus-me como seguidor. Abraços, Pedro.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial