sábado, 26 de junho de 2010

ADEUS SEM PONTO FINAL





ADEUS SEM PONTO FINAL


Abandono de esquecido
Fugidio lamento esvaido.

Ilusões desfeitas
Razões fenecidas

Macerados tormentos
Soturnas convulsões
No escorregadio tempo .

Invernosas brumas,
Derramando-se pelas madrugadas
Segredos invocam

E choram sem saber o porquê...

Choram o pranto da saudade
Flores desmaiadas orvalham
Jardins de desgrenhadas urzes irrigam...




“Sou chama e neve branca e misteriosa...
E sou, talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!”

Florbela Espanca

1 Comentários:

Às 18 de julho de 2010 12:21 , Blogger Márcia Vilarinho disse...

É saudade mesmo, sem ponto final. Lindo. Bjs.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial